Total de visualizações de página

Loading...

terça-feira, 14 de dezembro de 2010

VI FEST ARUANDA




Com o objetivo de fomentar, reconhecer e contemplar os novos talentos e futuros profissionais da área do audiovisual no circuito universitário estadual, regional e nacional, o Fest-Aruanda também coloca João Pessoa, a capital da Paraíba, em destaque no circuito do cinema universitário nacional.
A idéia de organização do festival surgiu após o sucesso de iniciativa semelhante, realizada em 2003, com o Prêmio Rodrigo Rocha de Vídeo Universitário. O sucesso da iniciativa foi o embrião para a realização deste Festival, sendo instituída a premiação TROFÉU ARUANDA e TROFÉU RODRIGO ROCHA de VÍDEO DOCUMENTÁRIO, uma homenagem ao jornalista e videasta paraibano, morto em 1996 quando participava de uma produção cinematográfica.
O V Festival Aruanda do Audiovisual Universitário Brasileiro é aberto à participação de estudantes universitários de todo o país, além de ex-alunos com produções realizadas durante o período letivo, que também poderão participar.
Este evento conta com a estrutura oficial da UFPB, através do Centro de Ciências Humanas, Letras e Artes (CCHLA), do Departamento de Comunicação e Turismo, membros do Neppau (alunos de Comunicação) e colaboradores comprometidos com sua realização, e a garantia de sucesso do evento.
Os integrantes da Comissão Organizadora e Júri de Seleção serão formadas por professores e profissionais da área audiovisual da região e de renome nacional.
Como parte do Festival, serão oferecidos seminários e oficinas, contando com a presença de nomes reconhecidos nacional e internacionalmente, a serem divulgados em época apropriada, em função de ainda estarem sendo negociadas suas participações. Além disso, o evento pretende abrir espaço para estagiários oriundos do curso de Comunicação Social da UFPB e de escolas de ensino fundamental do município de João Pessoa.



                                       Leo Tabosa e a jornalista, documentarista e 
                                                  crítica de cinema, Aurora Miranda